O cargo de gerência ficou vago. Dois candidatos chamaram atenção do setor de RH. O primeiro é um profissional que sempre conquistou excelentes resultados para a empresa. O segundo é um verdadeiro estudioso, que possui duas especializações e um mestrado. E agora, quem escolher?

Você não precisa atirar uma moeda para o alto na hora de tomar essa decisão. O ideal é ter boas estratégias, como a de fazer um plano de cargos e salários na empresa! Assim, você vai definir critérios objetivos para fazer escolhas como essa e pode aumentar a chance de encontrar o candidato certo.

É correto dizer que o plano de carreira também é uma forma de estruturar o organograma organizacional, ou seja, estabelecer quais são os cargos e linhas de comando que existem em uma empresa. Assim fica muito mais fácil organizar a rotina operacional do negócio.

Além disso, é por meio da estruturação desse plano que podemos trabalhar a motivação dos profissionais. Afinal, os colaboradores se sentem mais empenhados quando sabem exatamente o que devem fazer para crescer profissionalmente. Assim, mostraremos, a seguir, todos os passos necessários para que você consiga definir o plano de carreira na sua empresa. Confira!

Defina a estrutura organizacional

A estrutura organizacional, também conhecida como organograma, nada mais é do que a definição de todos os cargos e linhas de comando que existem em uma empresa. Você vai definir os cargos de chefia, de gerência e os operacionais, entre muitas outras questões.

Existem muitas estruturas que você pode incorporar na sua empresa. Como exemplos, podemos citar a em linha, a por projetos e a matricial. A escolha do tipo de estrutura depende não só da forma como a rotina operacional do seu negócio precisa funcionar, mas também de como a cadeia de comando deve ocorrer.

Escolha o tipo de plano de carreira

Outro passo muito importante é a escolha do tipo de plano de carreira da empresa. Existem muitos modelos que podem ser usados na sua organização, no entanto, três deles atraem mais a atenção, por serem bastante utilizados: os planos de cargos e salários em I, em Y e em W. Vamos conferir um pouco sobre cada um deles?

Plano de carreira em I

A letra I sugere uma linha reta na vertical, não é verdade? Então! Essa é a ideia. Nesse tipo de plano de carreira, o colaborador possui apenas um caminho a seguir na linha hierárquica da empresa. Ele poderia saltar de um cargo operacional para um de gestão, por exemplo.

Plano de carreira em Y

Nesse caso, o Y sugere uma bifurcação, certo? O colaborador que será promovido tem duas opções à sua frente para crescer. Ele pode ocupar um cargo de especialista ou de gestor, por exemplo.

Plano de carreira em W

Para fechar, nós temos o plano de carreira em W, que possui três opções distintas para o profissional. Além das duas que mencionamos do plano em Y, é possível contemplar, ainda, uma terceira opção, que seria a união das duas atribuições.

Estude os cargos existentes na empresa

Com as duas etapas anteriores concluídas, é chegado o momento de estudar quais são os cargos existentes na empresa. O que isso significa? É preciso saber o que cada cargo representa, não só em relação ao salário recebido, mas também às atribuições de cada um deles.

Nessa etapa, é importante fazer uma pesquisa salarial no mercado para descobrir a remuneração das posições da empresa, estabelecer responsabilidades, definir qual é o perfil técnico e comportamental necessário para a ocupação desses cargos, entre muitas outras coisas.

Organize os níveis de cargos e de salários

Existe uma pequena distinção entre o plano de cargos e o plano de salários. A diferença é simples: enquanto, no primeiro caso, temos a locomoção vertical de um profissional na estrutura da organização, na segunda essa locomoção ocorre de maneira mais horizontal.

Quer um exemplo? Quando um analista júnior é promovido para o cargo de analista pleno, ele passa a ter poucas atribuições adicionais, mas percebe um aumento do seu salário. Por outro lado, quando o mesmo analista passa para a função de gerente, por exemplo, ele percebe uma locomoção efetiva na estrutura da empresa.

Estabeleça os critérios de avaliação

Afinal, quais sãos os critérios de promoção e aumento de salários na empresa? É importante que essas questões fiquem claras não só para os colaboradores, mas também para a gestão da empresa e o RH. Afinal, é só dessa forma que todos vão saber exatamente o que deve ser feito para conquistar novas posições.

Tempo de casa, qualificação técnica, projetos concluídos, enfim, essas são apenas algumas das questões que devem ser especificadas. Além disso, também devemos sempre nos apoiar por critérios objetivos para avaliar os colaboradores. Estamos falando do uso de métricas para acompanhar os resultados dos profissionais.

Documente e divulgue o plano

Depois de concluídas todas as etapas que vimos no nosso post, é chegado o momento de divulgar o seu plano de cargos e salários para toda a empresa, dos colaboradores aos diretores. Essa etapa é importante para que você valorize a transparência na organização, algo que é muito estimado pelos profissionais.

Essa divulgação pode ser feita em processos seletivos em reuniões com os colaboradores, ações de motivação, entre muitas outras formas. O mais importante aqui é que as informações sejam muito bem disseminadas entre os profissionais e reforçadas sempre que possível.

Para fechar o nosso post sobre como fazer um plano de cargos e salários, lembre-se de que o monitoramento constante é a melhor forma para garantir uma avaliação correta dos seus colaboradores. Para isso, você pode usar as métricas, conforme já comentamos, mas não pode parar por aí.

Usar a tecnologia para acompanhar o controle de ponto, por exemplo, é uma excelente maneira para saber se os colaboradores chegam na hora certa na empresa, por exemplo. E nós, do FolhaCerta, oferecemos uma série de soluções nesse sentido.

Gostou do nosso post sobre como fazer um plano de cargos e salários? Então, aproveite a visita para saber o que muda no plano de carreira com a reforma trabalhista e saiba ainda mais sobre o assunto!