Juliano está com um problema sério! Ele já não sabe mais o que fazer para contornar as situações de discussão, brigas e desentendimentos que estão ocorrendo no setor que lidera em uma indústria de peças automotivas.

No departamento, existem pessoas com ideias muito diferentes e formas de pensar que destoam umas das outras. Tudo isso tem feito com que Juliano busque meios de fazer uma correta gestão de conflitos e evitar que esses desencontros prejudiquem o bom ambiente de trabalho e também o processo produtivo da empresa.

Juliano sabe que um verdadeiro líder deve manter o ambiente corporativo saudável e que é de responsabilidade dele fazer com que isso aconteça na indústria em que trabalha.

Pensando nisso, fez um estudo sobre a gestão de conflitos, anotando o seu conceito e também as principais formas de trabalhá-la. Veja, a seguir, as considerações a que ele chegou.

O que é a gestão de conflitos e quando ela precisa ser implementada nas empresas?

A gestão de conflitos é um trabalho realizado nas organizações para administrar os conflitos que acontecem entre grupos ou pessoas em uma empresa. Essas situações podem ocorrer em qualquer ambiente e ter motivações diversas.

Um exemplo de conflito que é bastante comum nas empresas é o de gerações. Algumas pessoas mais velhas têm dificuldade, por exemplo, para se adaptar a novos processos de trabalho com recursos tecnológicos. Assim, em empresas tradicionais, é comum que os mais jovens tenham dificuldade em conviver e implantar mudanças em um ambiente em que muitos colegas têm a mente mais fechada e conservadora.

Além disso, os conflitos podem ter origem, até mesmo, em situações que não a de trabalho, como política, opiniões sobre assuntos diversos etc. Essa oposição de ideias dificulta a convivência e faz com que as relações de trabalho sejam prejudicadas. Para evitar que essas situações gerem problemas maiores, os gestores precisam desenvolver formas de trabalhar com a gestão de conflitos.

Quais são as principais formas de trabalhar com a gestão de conflitos?

As principais ações que devem ser desenvolvidas para trabalhar com a gestão de conflitos são as a seguir listadas. Confira!

Reconheça os conflitos

O primeiro passo para executar a gestão de conflitos é reconhecer que esses problemas existem. Não se deve “tapar o sol com a peneira”, como diz um famoso ditado popular. Somente assim, reconhecendo que os conflitos existem, eles se tornarão possíveis de serem resolvidos.

Existem conflitos que são evidentes e visíveis ao gestor, que precisa tomar as medidas cabíveis para combatê-los. No entanto, há outros que merecem uma investigação mais aprofundada. De acordo com um estudo conduzido pelo pesquisador americano David Maxfield e que foi divulgado em reportagem do jornal O Globo, 96% dos profissionais dos Estados Unidos já sofreram o chamado bullying corporativo.

Os assédios, as sabotagens de colegas de trabalho, ameaças e até mesmo intimidações físicas foram relatados nas entrevistas realizadas. Também constatou-se que poucos denunciavam os abusadores, o que nos permite interpretar que os gestores devem estar sempre de olhos bem abertos para identificar situações desse tipo.

Exerça uma gestão transparente

A gestão deve ser transparente na sua empresa, ou seja, todas as práticas desenvolvidas para a administração de pessoas devem ser explanadas para todos. Isso evita problemas, como o de alguém pensar que existe favoritismo da chefia por alguns grupos.

O uso da tecnologia, com aplicativos de gestão das rotinas dos funcionários pelo celular, como o FolhaCerta, possibilita que haja mais transparência na empresa. Afinal, todos terão autonomia para trocar mensagens, solicitar benefícios, avisar sobre ausências, solicitar folgas etc. Isso evita que se dissemine o pensamento de que o chefe dá privilégios para os seus funcionários favoritos.

Forneça feedbacks constantes

Os colaboradores precisam ter respostas para as suas demandas, mesmo que elas sejam negativas. Somente assim, eles sentirão confiança em seus líderes e evitarão conflitos entre liderança e liderados.

O teórico Henry Mintzberg afirma que as empresas têm um ápice estratégico, uma linha intermediária e um núcleo operacional. Essas partes da organização representam, respectivamente, a alta cúpula administrativa, os líderes de setor e os funcionários operacionais. Assim, quando uma demanda é levantada do núcleo operacional para a linha intermediária, os colaboradores esperam que o gerente a leve para o ápice estratégico. É somente com o feedback que eles terão a certeza de que isso se efetivou.

Melhore a comunicação e estimule as boas relações

As chamadas barreiras da comunicação são causadas por questões mecânicas, psicossociais, pessoais ou burocráticas. Em todos os casos, podem ser tomadas medidas para que elas sejam quebradas e as relações se desenvolvam de forma mais efetiva.

Para que a comunicação seja bem desenvolvida, devem ser utilizadas ferramentas adequadas, como aplicativos para trocas de mensagens internas, envio de newsletter, uso de murais em locais comuns etc. Além disso, é preciso estimular as boas relações entre si, conscientizando sobre a importância de não desenvolver preconceitos e estereótipos que dificultem a convivência com o outro.

Ataque apenas o problema

Ao trabalhar com a gestão de conflitos, é preciso que o líder tenha o discernimento de atacar apenas os problemas e não as pessoas que os geraram, sem levar nada para o lado pessoal. Lidar com as emoções nem sempre é algo fácil, mas isso deve ser levado em consideração sempre.

Seja imparcial

A imparcialidade também é muito importante na gestão de conflitos. O líder deve evitar tomar partido quando há uma briga ou desentendimento entre dois colaboradores ou grupos. O que deve ser feito é levantar todas as informações que geraram o conflito, buscar meios para corrigir os danos e conscientizar a todos sobre a importância de ter uma boa convivência com os colegas.

Com base nessas informações que reuniu em sua pesquisa, Juliano tem conseguido fazer um bom trabalho de gestão de conflitos na indústria de peças em que exerce liderança. Ele está colocando todo o aprendizado em prática e isso tem feito com que muitas melhorias ocorram no ambiente de trabalho da organização como um todo.

Agora que você já sabe mais sobre esse assunto, compartilhe este post nas redes sociais. Afinal, assim como você e como Juliano, mais pessoas podem passar por uma situação parecida em seu trabalho.