fbpx

Saiba como adotar a jornada híbrida em sua empresa

Em março de 2020, quando as medidas de isolamento social devido à pandemia da Covid-19 começaram quase que de um dia para o outro no Brasil, e as pessoas tiveram que abandonar os escritórios e começar a trabalhar em home office, os profissionais de RH se viram tendo que tomar decisões importantes às pressas para que os colaboradores se adequassem à nova realidade.

Passado mais de um ano, com as medidas de quarentena flexibilizadas (pelo menos se comparadas a um ano atrás), algumas empresas optaram por adotar a jornada híbrida – este modelo mescla o trabalho presencial com o remoto.

De acordo com a 14ª edição do Índice de Confiança Robert Half (ICRH), divulgada em janeiro de 2021, 91% dos profissionais qualificados (trabalhadores com 25 anos ou mais e com ensino superior) acreditam no modelo híbrido para o mundo pós-pandemia. Isso se deve à motivos como: 66% dos respondentes querem ter flexibilidade, 61% acreditam que a pandemia ainda é uma realidade, 57% acham que a produtividade se manteve ou aumentou, e houve melhora no engajamento para 26%.

Já uma pesquisa da Workana, realizada entre abril e maio de 2020, revelou que para 96,7% dos entrevistados o home office será um diferencial na hora de escolher uma vaga, enquanto 94,2% dos profissionais com carteira assinada mostraram desejo de continuar trabalhando em casa inclusive quando a pandemia acabar.

Um equilíbrio melhor entre vida pessoal e profissional é o que pauta a maioria dessas respostas.

O RH está preparado para gerir a jornada híbrida dos funcionários?

Realmente, ao que tudo indica, a adoção da jornada híbrida veio para se tornar uma realidade a longo prazo em muitas organizações. As que já adotavam esse modelo antes da pandemia se adaptaram com mais facilidade ao novo cenário, contudo a grande maioria das empresas brasileiras nunca tinha experimentado de verdade o trabalho remoto e tampouco a jornada híbrida.

O trabalho remoto exige uma série de providências, como adoção de novas tecnologias, medidas que assegurem a proteção de dados, ferramentas que ajudem a manter a conectividade, a comunicação e a cultura empresarial entre os colaboradores, dentre outros desafios.

Com a jornada híbrida, fica um pouco mais fácil lidar com algumas dessas questões. Mas vale lembrar que:

  • Neste regime, fica à critério da empresa planejar quando acontecerá o trabalho presencial e quando o colaborador poderá trabalhar em casa. Por exemplo, pode-se determinar que dias da semana determinados trabalhadores devem ir ao escritório, enquanto outro grupo faz o revezamento, trabalhando em home office.
  • É ideal que seja feito o controle de ponto tanto na forma presencial quanto remota do trabalho, para se evitar transtornos futuros, além de assim poder mensurar melhor produtividade e contabilizar horas extras.
  • É importante que seja feito um aditivo contratual considerando o trabalho remoto em home office, detalhando bem como isso acontecerá, as obrigações e os direitos de cada parte, a fim de se evitar problemas trabalhistas no futuro.

Por fim, deixamos a reflexão: sua empresa pensa em adotar a jornada híbrida e já sabe como se adaptar a ela?